Páginas

Emprego da letra "H"

Haiti - harmonia - Havana - Havaí - haxixe- hectare - herói - hesitar - herança - herbáceo - hiato - híbrido - hidráulica - hidrogênio - hífen - higiene - Himalaia - hindu - hipocrisia - hipoteca - hipotenusa - hipótese - histeria - hodierno - hoje - holandês holofote homenagear homeopatia homicida - homologar homogeneidade -homogêneo - homônimo honesto - honorários- honra - horário - horizonte - horror- horta- hóspede hospital- hostil - humano - humilde - humor - Hungria

Adjunto Adverbial Deslocado

A vírgula é opcional depois de adjunto adverbial deslocado que tenha até três palavras. Use a vírgula para destacar a informação do adjunto adverbial:

Hoje, todos os envolvidos na criação e os que nele trabalharam e trabalham têm motivo de sobra para comemorar — disse o senador.

Hoje todos os envolvidos na criação e os que nele trabalharam e trabalham têm motivo de sobra para comemorar — disse o senador.

No país, foram eleitos 77 prefeitos e 1.204 vereadores filiados ao partido, o que representa crescimento de 42,9% e de 54,4% com relação a 2008, respectivamente.

No país foram eleitos 77 prefeitos e 1.204 vereadores filiados ao partido, o que representa crescimento de 42,9% e de 54,4% com relação a 2008, respectivamente.

Na terça-feira, a comissão temporária que examina a modernização do Código de Defesa do Consumidor (CDC) debateu a necessidade de regras para publicidade infantil.

No mês passado, os governos do Brasil, África do Sul, Índia e China, grupo chamado de Basic, finalizaram declaração conjunta sobre as medidas de redução de emissões de gases de efeito estufa.

Use sempre a vírgula para separar o adjunto adverbial longo que estiver deslocado.

Na reunião de ontem, a CRE aprovou a indicação de Affonso Emílio de Alencastro Massot para o cargo de embaixador no Líbano e a de Arnaldo Caiche D’Oliveira, que já responde pelo Benin, para exercer cumulativamente o cargo de embaixador no Níger.

Fonte: Manual de Comunicação da Secs

Culinária brasileira

Culinária brasileira: as comidas típicas do Brasil

Ao longo de mais de 500 anos de história, a culinária brasileira é resultante de uma grande mistura de tradições, ingredientes e alimentos que foram introduzidos não só pela população nativa indígena como por todas as correntes de imigração que ocorreram no período. Cada região do país tem sua peculiaridade gastronômica e sua culinária adaptada ao clima e à geografia. Além disso, o próprio descobrimento do Brasil remete à culinária, já que as caravelas portuguesas desembarcaram aqui em 1500 enquanto navegavam em busca das Índias e suas especiarias. Devido às diferenças de clima, relevo, tipo de solo e de vegetação, e povos habitando uma mesma região, é muito difícil estabelecer um prato típico brasileiro. A unanimidade nacional é, talvez, o arroz e o feijão, cujo preparo varia conforme a região. 

Arroz com feijão.

No entanto, a mistura de dois ingredientes tão comuns na mesa do brasileiro, apesar de característica, ainda não é suficiente para resumir toda a complexidade e a riqueza da culinária nacional.

Região Norte

Influências: A forte presença indígena mesclada com a imigração européia diferencia a gastronomia do Norte de qualquer outra encontrada no país. É considerada por muitos o maior exemplo de culinária tipicamente nacional. Apesar de suas raízes amazônicas, a cozinha regional sofreu influência forte de imigrantes portugueses, logo no início da colonização. Depois, com o ciclo da borracha, outros povos chegaram e deixaram seus traços na culinária, como é o caso de libaneses, japoneses, italianos e até mesmo os próprios nordestinos que migraram para a região nesse mesmo período.
Principais ingredientes: mandioca, cupuaçu, açaí, pirarucu, urucum (açafrão brasileiro), jambu, guaraná, tucunaré, castanha do Pará.
Pratos típicos: Pato no Tucupi, Caruru, Tacacá, Maniçoba.

Região Nordeste

Influências: A diversidade climática (tropical na costa e semi-árido no interior) tem reflexos diretos na culinária nordestina. Desde o litoral de Pernambuco até o da Bahia, a presença africana se nota mais forte devido aos resquícios da escravidão durante o ciclo da cana. Já em Alagoas, os frutos do mar são mais recorrentes devido às suas diversas lagoas costeiras. No Maranhão, a influência portuguesa é ainda mais forte que nos demais estados da região, e o consumo de temperos picantes, muito comum no litoral, é menor. No sertão nordestino, o próprio clima favorece o consumo de carnes, sobretudo a carne-de-sol e os pratos feitos com raízes. A culinária das comemorações juninas também é típica do interior.
Principais ingredientes: Azeite de dendê, mandioca, leite de coco, gengibre, milho, graviola, camarão, caranguejo.
Pratos típicos: Acarajé, vatapá, caranguejada, buchada, paçoca, tapioca, sarapatel, cuscuz, cocada.

Região Centro-Oeste

Influências: A culinária da região é altamente influenciada pela pecuária, uma das principais atividades econômicas do território, daí a grande preferência da população do Centro-Oeste por carnes bovina, caprina e suína. Os ciclos de imigração também trouxeram a culinária africana, portuguesa, italiana e síria. E a forte presença indígena liderou a preferência regional por raízes. Ao norte do estado, a proximidade com o Pará refletiu diretamente no preparo de alguns pratos, principalmente os que são feitos com carne-de-sol e pequi. O Mato Grosso do Sul, no entanto, sofreu forte influência da culinária latino-americana, sobretudo nos ensopados de peixe. Devido à diversidade da fauna pantaneira, carnes exóticas e peixes típicos da região, como o Pacu, o Pintado e o Dourado também fazem parte do cardápio local.
Principais ingredientes: Pequi, mandioca, carne seca, erva-mate, milho
Pratos típicos: Arroz com pequi, picadinho com quiabo, sopa paraguaia, empadão goiano, caldo de piranha, vaca atolada.

Região Sudeste

Influências: Até o século XIX, a cozinha do Sudeste era essencialmente influenciada pelas origens portuguesas, indígenas e africanas. Alimentos simples, como raízes, carnes, grãos e vegetais foram disseminados por todo o território do Sudeste, o que fez com que a gastronomia de cada estado se tornasse bastante similar em ingredientes e no preparo dos alimentos. A exceção é a culinária capixaba que, por sua proximidade com o Nordeste e grande área litorânea, tem uma forte presença de peixes e frutos do mar nos pratos do dia-a-dia. Após a chegada de imigrantes japoneses, libaneses, sírios, italianos e espanhóis, a diversidade gastronômica, sobretudo em São Paulo, aumentou. No estado, a culinária internacional mais integrada com a culinária típica paulista é a italiana.
Principais ingredientes: arroz, feijão, ovo, carnes, massas, palmito, mandioca, banana, batatas, polvilho.
Pratos típicos: Tutu de feijão, virado à paulista, moqueca capixaba, feijoada, picadinho paulista, pão de queijo.

Região Sul

Influências: A mistura étnica ocorrida na região Sul resultou em uma culinária completamente diferente do resto do país, com a presença ainda mais forte da cozinha italiana, alemã, além das já presentes portuguesa e espanhola. O churrasco, principal prato do Rio Grande do Sul, resultou de um fato histórico. Para catequizar os índios da região na época da colonização, os padres jesuítas introduziram a criação de gado e deixaram o rebanho sob a responsabilidade dos nativos. Com a chegada dos tropeiros paulistas e mineiros, que escravizaram os índios, o gado permaneceu solto pelos campos e se espalhou pelo sul do território, pois não havia predadores. Daí a abundância de pastos e a tradição do churrasco gaúcho. Com a chegada dos italianos, as massas, a polenta e o frango foram integradas ao hábito alimentar regional. Já a influência alemã, ficou restrita às colônias no interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. O Paraná, apesar da forte influência italiana, conta com uma presença também significativa da culinária indígena, sobretudo com raízes e grãos.
Principais ingredientes: carne bovina e ovina, farinha de milho, erva-mate
Pratos típicos: Barreado, churrasco, galeto, sopa de capeletti, arroz carreteiro, sopa catarinense

Fonte: Portal Brasil

BRASIL - Naturalidade por estado brasileiro – Adjetivos Pátrios

Nome que é dado para quem nasce em cada um dos estados brasileiros. Veja gentílicos dos estados do Brasil. 
Quem nasce em... se chama?

Quem nasce no estado do Acre (AC) é Acriano.
Quem nasce no estado de Alagoas (AL) é alagoano.
Quem nasce no estado do Amapá (AP) é amapaense. 
Quem nasce no estado do Amazonas (AM) é amazonense.
Quem nasce no estado da Bahia (BA) é baiano.
Quem nasce no estado do Ceará (CE) é cearense.
Quem nasce no Distrito Federal (DF) é brasiliense.
Quem nasce no estado do Espírito Santo (ES) é capixaba ou espírito-santense.
Quem nasce no estado de Goiás (GO) é goiano.
Quem nasce no estado do Maranhão (MA) é maranhense.
Quem nasce no estado do Mato Grosso (MT) é mato-grossense.
Quem nasce no estado do Mato Grosso do Sul (MS) é sul-mato-grossense.
Quem nasce no estado de Minas Gerais (MG) é mineiro.
Quem nasce no estado do Pará (PA) é paraense.
Quem nasce no estado da Paraíba (PB) é paraibano.
Quem nasce no estado Paraná (PR) é paranaense.
Quem nasce no estado de Pernambuco (PE) é pernambucano.
Quem nasce no estado do Piauí (PI) é piauiense.
Quem nasce no estado do Rio de Janeiro (RJ) é fluminense .
Quem nasce no estado do Rio Grande do Norte (RN) é potiguar ou norte-rio-grandense.
Quem nasce no estado do Rio Grande do Sul (RS) é gaúcho ou sul-rio-grandense.
Quem nasce no estado de Rondônia (RO) é rondoniano ou rondoniense.
Quem nasce no estado de Roraima (RR) é roraimense.
Quem nasce no estado de Santa Catarina (SC) é catarinense ou barriga-verde.
Quem nasce no estado de São Paulo (SP) é paulista.
Quem nasce no estado de Sergipe (SE) é sergipano.
Quem nasce no estado do Tocantins (TO) é tocantinense.

Informações de todas as bandeiras estaduais do Brasil

Natália Pesciotta*
Bandeiras dos estados brasileiros. Confira informações sobre as 27 bandeiras estaduais do Brasil.
Bandeira do Acre

O desenho já existia quando o Acre era um território brasileiro, e não um estado. Apenas a “estrela solitária” foi acrescentada depois, para representar a participação do estado no País. Tem a cor vermelha como simbologia da luta para a anexação ao Brasil.
 Bandeira de Alagoas

Para as faixas foram escolhidas as três cores da Revolução Francesa, que representam os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. O brasão central remete às riquezas do estado: cana-de-açúcar, algodão e pesca. São três garoupas em homenagem às três principais lagoas da região: Mundaú, Manguaba e Jequiá.

 Bandeira do Amapá

O símbolo gráfico à esquerda tem o formato exato da Fortaleza de São José, a maior da América Latina. A construção está ligada à história do estado porque foi a principal responsável pelo desenvolvimento da capital Macapá.
 Bandeira do Amazonas
São 25 estrelas porque na data de criação, em 1897, eram 25 os municípios do estado. A bandeira informal continha apenas o azul e o branco. Entrou o vermelho, cor de combate, pois naquele ano a bandeira seria levada pelo batalhão militar amazonense para a Guerra de Canudos, na Bahia.
 Bandeira da Bahia

A bandeira tem as cores da Revolução Francesa e o triângulo, que, apesar de poder ser entendido como a Santíssima Trindade, também era usado pela maçonaria para representar os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Foi criada para ser estandarte do Partido Republicano no estado.

 Bandeira do Ceará

Usar o modelo nacional com a arma do Ceará na esfera foi iniciativa de um cidadão patriota, na falta de um símbolo estadual. Mais tarde o estado adotou a ideia dele. No brasão central destacam-se o farol, que representa Fortaleza, a jangada, símbolo do cearense, e a carnaúba, para lembrar da importância do extrativismo.
 Bandeira do Espírito Santo

Apesar de nada usuais, as cores do estandarte capixaba foram escolhidas por serem as mesmas do manto da padroeira da capital, Nossa Senhora de Vitória. A inspiração religiosa fica clara também na frase central. É inspirada na doutrina de santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus: “Trabalha como se tudo dependesse de ti e confia como se tudo dependesse de Deus.”
 Bandeira de Goiás

De inspiração norte-americana, a bandeira goiana traz no canto superior esquerdo o cruzeiro do sul, constelação bem visível no céu do estado. O poeta Joaquim Bonifácio de Siqueira, que organizou o desenho em 1919, é autor também do hino de Goiás.
 Bandeira do Maranhão

Não há dúvidas de que o poeta Sousândrade, republicano fervoroso, tenha se baseado na bandeira dos Estados Unidos, onde morou, para criar a do seu estado. Justifica-se as cores como a união das etnias: branca, negra e indígena. Sousândrade foi importante poeta, mas acabou pobre e considerado louco.
 Bandeira do Mato Grosso

É uma das bandeiras mais antigas do Brasil. Criada pouco depois da Proclamação da República pelo presidente da província, reorganiza o desenho e as cores do estandarte nacional. A ideia de usar a estrela que representa o Mato Grosso na bandeira brasileira é repetida em vários outros estados.


Bandeira do Mato Grosso do Sul
O autor de uma das nossas bandeiras mais ousadas, Mauro Miguel Munhoz, explicou assim o desenho: “Entre o verde e o azul, na convergência prática de todas as nossas atitudes, nós somos a faixa branca do porvir, a alvidez serena da amizade entre os povos”.


 Bandeira de Minas Gerais
Criação dos inconfidentes, ainda no século 18, para ser a bandeira da república que planejavam. No interrogatório a que Tiradentes foi submetido antes da forca, parguntaram qual o significado do triângulo que idealizou. Ele responde: “a Santa Trindade”. Alguns historiadores acreditam que ele tivesse pouco conhecimento da nomenclatura católica, “Santíssima Trindade”, e que o símbolo estivesse ligado à maçonaria.


 Bandeira do Pará
Não é fato conhecido no resto do País, mas em Belém havia forte corrente republicana ainda no Império. No mesmo ano da proclamação da República a bandeira dessa corrente, o Clube Republicano Paraense, tremulou como símbolo do estado. A faixa branca remete tanto à linha do Equador quanto ao rio Amazonas.



 Bandeira da Paraíba
A palavra “nego” representa a negação do governador João Pessoa a apoiar os velhos oligarcas de sempre, paulistas e mineiros, à presidência da República nos anos 1920. Pouco depois, quando seu candidato Getúlio Vargas chegava ao poder, João Pessoa era assassinado. O crime passional não teve ligação com política, mas o nome da capital e a bandeira do estado mudaram em sua homenagem. A faixa preta simboliza o luto.


 Bandeira do Paraná
A faixa branca que corta o retângulo verde está relacionada ao Trópico de Capricórnio que atravessa o Paraná. A exemplo da bandeira nacional, a esfera celeste ao centro tem a mesma inclinação do céu visto em Curitiba na data da criação do estado, 29 de agosto de 1853.


 Bandeira de Pernambuco
Quando revolucionários proclamaram uma república em Pernambuco em pleno Império português, o símbolo que criaram para a nação tremulou por pouco tempo - logo o movimento foi abafado pelas tropas monarquistas. Cem anos depois, em 1917, o estado lembrou do feito e adotou a bandeira dos republicanos adiantados.


 Bandeira do Piauí 
A data abaixo da estrela só foi inserida na bandeira em 2005. Nada tem a ver com a criação do estado, mas sim com um episódio acontecido no território piauiense. A batalha de Jenipapo, em 13 de março de 1823, garantiu que o Norte do País aderisse à Independência do Brasil.


Bandeira do Rio de Janeiro
A bandeira foi adotada apenas em 1965. Abriga ao centro o brasão do estado, que tem a inscrição: “Recte Rempublican Gerere” (gerir a coisa pública com retidão, em latim). O desenho remete à baixada fluminense e ao litoral. As montanhas têm a silhueta da Serra dos Órgãos, com destaque para o pico Dedo de Deus.


 Bandeira do Rio Grande do Norte
Acredite: o planejamento da bandeira potiguar é obra do patrono maior deste almanaque ( Almanaque Brasil ), o folclorista Câmara Cascudo (1898 - 1986). Foi instituíta em 1957 para abrigar o brasão do estado. A jangada, no centro da arma, é cercada por espécies de coqueiro, carnaúba, cana-de-açúcar e algodão.


 Bandeira do Rio Grande do Sul
Assim como Pernambuco, o Rio Grande do Sul resgatou a bandeira que os farropilhos criadores da República Rio-Grandense haviam criado, em 1835. Os revolucionários, no entanto, não deixaram nenhuma explicação para as cores. A única modificação em relação ao antigo símbolo é que o brasão do estado foi adicionado no centro.


 Bandeira de Rondônia
O símbolo rondoniense foi escolhido em um concurso público de 1981. O vencedor foi um arquiteto da capital, Sílvio Carvajal Feitosa. Sintetiza a criação do estado: “é a mais nova estrela brilhando no céu da União”, explicou o autor.
 Bandeira de Roraima

A maior parte de Roraima fica acima da linha do Equador, que corta o Estado. É essa a simbologia da faixa vermelha na parte de baixo da bandeira. O estandarte é dos mais recentes, instituído em 1996.


Bandeira de Santa Catarina
Durante o Estado Novo, ditadura de Getúlio Vargas, as bandeiras estaduais foram queimadas. Depois de oito anos proibidas, puderam voltar a tremular em 1945. A de Santa Catarina foi a única a mudar de versão, depois do intervalo. Antes o centro do losango era preenchido por estrelas amarelas, cada uma representando um município


 Bandeira de São Paulo
Essa era a proposta do republicano Júlio Ribeiro para ser o estandarte nacional: “Ela simboliza de modo perfeito a gênese do povo brasileiro, as três raças de que se compõe - branca, preta e vermelha”. Rejeitada na época, acomodou-se para o estado de São Paulo. Lê-se em decreto: “Significa que noite e dia [campo burelado de preto e branco] nosso povo está pronto para verter o seu sangue [cantão vermelho] em defesa do Brasil.”



 Bandeira de Sergipe
As estrelas aqui representam os principais rios do estado: Sergipe, Vaza-Barris, São Francisco, Poxim e Cotinguiba. A criação da bandeira é de um antigo industrial que queria identificar seus barcos como sergipanos. O desenho dele criou popularidade e depois foi oficializado.

 Bandeira do Tocantins 
Apesar de ser o mais recente estado brasileiro, a bandeira não é a mais nova - foi criada em 1989. A intenção ao se colocar o sol centralizado era passar a ideia de que o jovem estado seria terra de oportunidades para todos.
 Bandeira do Distrito Federal

Foi Guilherme de Almeida, poeta concretista, quem elaborou a atual bandeira do Distrito Federal. A Cruz de Brasília, ao centro, simboliza a herança indígena e a força que emana do centro em todas as direções.

*Com informações do Almanaque Brasil

Região Norte - Brasil - Mapa para colorir e pintar

Região Norte - Mapa em branco que permite diversificados usos, abrangendo vários conteúdos. Pode ser utilizado em atividades para o Ensino Fundamental e Médio.
Mapa Mudo - Região Norte - IBGE

Assuntos - mapa da Região Norte do Brasil para atividades, mapa da Região Norte para colorir, mapa da Região Norte do Brasil para pintar e completar nomes dos estados.

Região Nordeste - Brasil - Mapa para colorir e pintar

Região Nordeste - Mapa em branco que permite diversificados usos, abrangendo vários conteúdos. Pode ser utilizado em atividades para o Ensino Fundamental e Médio.
Mapa Mudo - Região Nordeste - IBGE
Assuntos - mapa da Região Nordeste do Brasil para atividades, Mapa da região Nordeste do Brasil, mapa da Região Nordeste para colorir, mapa da região nordeste do brasil para imprimir, mapa da Região Nordeste do Brasil para pintar e completar nomes dos estados.