Estamos vivendo na Idade do Plástico?

Durante séculos, historiadores e arqueólogos definiram os períodos da história humana a partir de tecnologias ou materiais que tiveram o maior impacto na sociedade da época, como a Idade da Pedra, Idade do Bronze e a Idade do Ferro. 

Mas de que Idade nós somos agora? De acordo com Cara Giaimo, do site Atlas Obscura, essa pergunta pode ser respondida com uma palavra: plásticos. A ideia de dar nome às idades não deve ser confundida com subdivisões geológicas do tempo, como o Holoceno ou a proposta do Antropoceno - um período resultante do impacto humano em massa no planeta. 

Esta época geológica mais recente ainda não é oficial, mas já é muito aceita e utilizada. Um estudo recente diz que o Antropoceno começou durante meados do século 20 com a detonação das primeiras bombas nucleares, disse Ker Than para o site Smithsonian.com.
Plástico: os cientistas argumentam que este é o material
que melhor pode definir nosso período atual dentro do Antropoceno.
O Holoceno, foi assim denominado para abranger a Idade do Bronze e do Ferro. Mas nós ainda não temos uma ferramenta ou material para definir nossa época atual. Os cientistas apontam para algumas mudanças específicas: a energia nuclear, a rápida disseminação de materiais como alumínio, concreto, e silício como provas principais da influência da humanidade na Terra. 

Mas de acordo com o arqueólogo John Marston, o plástico "redefiniu a nossa cultura material" e "serão encontrados em camadas estratificadas em nossos depósitos de lixo".

Não há lugar na Terra em que os plásticos são naturalmente feitos e a grande variedade de polímeros sintéticos não existiria se não fosse pela ação humana. Desde a invenção dos primeiros polímeros, cerca de seis bilhões de toneladas de plásticos foram feitas e se espalharam pelo planeta. Junto com as primeiras detonações nucleares em 1945, os plásticos são uma das mudanças mais significativas que os seres humanos fizeram na história recente da Terra, relata Andrew C. Revkin para o New York Times

Para aumentar o problema, a maioria dos plásticos não são facilmente degradáveis, e a reciclagem não é uma solução para tudo. Nem todos os tipos de plástico são facilmente recicláveis, e há apenas algumas usinas de reciclagem (nos Estados Unidos) que podem processar todas as variedades de plástico.

Isso significa que grande parte dos materiais jogados em lixeiras de reciclagem pode circular pelo planeta várias vezes antes de serem processados ​​para produzir tapetes, blusas, ou outras garrafas, diz Debra Winter para o site The Atlantic. Embora milhões de toneladas de plástico sejam reciclados a cada ano, milhões acabam em aterros sanitários ou o nos oceanos. O problema atingiu o ponto em que é possível que em apenas algumas décadas poderia haver mais plástico nos oceanos do mundo do que peixes.

"O plástico pode demorar mais de 500 anos para se decompor na natureza, então é seguro dizer que cada garrafa de plástico que você usou ainda está em algum lugar deste planeta, de alguma forma ou de outra," afirma Winter. 

Mesmo que as pessoas em todo o mundo mudem suas maneiras de utilizar o plástico, o dano já está feito. A Idade do Plástico em breve poderá tomar o seu lugar ao lado da Idade do Bronze e da Idade do Ferro na história da civilização humana.

Texto escrito por Danny Lewis * Tradução livre, por Gabriel, com informações da Smithsonian Magazine.