Você pode obter um passaporte da Antártida

Você dever jurar lealdade ao continente austral e aos ideais de paz, igualdade e sustentabilidade

Você é cidadão da Antártida? A resposta é obvia: "não" - a Antártica não é um país, é um continente . Mas isso não é nenhum empecilho, afirmam os artistas Lucy Orta e George Orta. Eles estão concedendo passaportes para a Antártica, de qualquer jeito, diz  Allison Meier para  o site Hyperallergic.
Você é um cidadão global? Então você pode precisar de um desses. (Studio Orta)
Até agora, 53 países assinaram o Tratado da Antártida, que em 1959 estipulou que o continente austral "continue para sempre a ser utilizado exclusivamente para fins pacíficos e não se converta em cenário ou objeto de discórdias internacionais." Mas Lucy e George Orta não enxergam isso como uma barreira que possa impedir a emissão de passaportes para o continente gelado. Em vez disso, sua arte é inspirada e centrada em torno das possibilidades pacíficas de um continente dedicado à investigação científica e fraternidade humana.

Allison Meier relata que o casal desenvolveu um site chamado  Passaporte para o mundo Antártico  e todas as  pessoas que são adeptas aos princípios de sustentabilidade, paz e igualdade podem solicitar um passaporte virtual online.

O casal foi contratado para criar o programa de passaporte e mostrar o resultado dessa arte na  Bienal do Fim do Mundo de  2007, que trouxe artistas de todo o mundo para pensar no fim do mundo (Ushuaia, na Argentina é considerada pelos argentinos como a cidade do “fim do mundo”). 
O projeto da bandeira da Antártica de Lucy Orta e George Orta. (Studio Orta)
Mais tarde, ainda naquele ano, os artistas viajaram para a Antártida para levar a sua "Bandeira da Antártica" - a bandeira caleidoscópica combinando as bandeiras de todas as nações que representa a coexistência de todas as identidades do mundo. 
A efêmera aldeia antártica de Lucy e George Orta foi parcialmente construída com bandeiras e roupas. (Studio Orta)
A viagem para a Antártida também incluiu a construção de 50 habitações artesanais costuradas com bandeiras nacionais, roupas e outros objetos que simbolizam as possibilidades de um continente sem fronteiras.

Enquanto um passaporte oficial para a Antártica ainda seja impossível, este passaporte que os artistas chamam de um "passaporte universal para um continente sem fronteiras e o bem comum da humanidade" - parece ser uma boa alternativa. Até agora, mais de 12.000 pessoas já receberam o passaporte. 

Texto escrito por Erin Blakemore * Tradução livre, por Gabriel, com informações da Smithsonian Magazine. Data da publicação: 26/01/2016.